• Equipe Fabio Rocha

Empreendedorismo em Família aquece a economia da região


Desde o início dos tempos as relações de trabalho entre famílias existem em todo o mundo e este tipo de negócio permanece nos dias atuais. Dados do IBGE e do Sebrae mostram que 90% das empresas no Brasil ainda são familiares. Elas representam 65% do PIB e empregam 75% da força de trabalho do país. Este tipo de empresa é economicamente e socialmente responsável por significativa parcela de empregos gerados, principalmente em momentos como o Brasil enfrenta. Em São José dos Campos, houve um aumento de abertura de novas empresas neste primeiro semestre, boa parte destes novos negócios, conta pelo menos com um membro da família.

Muitas das pequenas e microempresas começaram entre pai e filho ou entre cônjuges. Conversando com os familiares empreendedores existem um consenso. Entre as vantagens destacam-se o desejo de crescer juntos, divisão de tarefas com adição de qualificações e confiança na gestão financeira. Entre as desvantagens, a principal, é adequada gestão de conflitos, separando os assuntos de ordem pessoal dos empresariais.

Sílvia Rocha, corretora de imóveis e Fábio Rocha, arquiteto são exemplos deste tipo de empreendedorismo em São José dos Campos. A trajetória do casal foi a seguinte, somando os 20 anos de casamento, dos quais 15 são de convivência profissional, eles tomaram a decisão de empreender juntos, após vários anos de atuação individual em grandes corporações. Começaram juntos no escritório de arquitetura. Inicialmente Sílvia Rocha iniciou as atividades no setor administrativo.

“A distribuição das tarefas ocorreu de maneira tranquila, uma vez que um cuida da parte técnica, de desenvolvimento de projetos de arquitetura e engenharia, e da execução das obras e o outro, trata das questões administrativas e comerciais. Esta talvez seja a pedra angular de qualquer negócio: o reconhecimento e valorização dos talentos de cada um e o respeito pelas hierarquias”, comentou Sílvia Rocha.

Os especialistas avaliam que reconhecer a habilidade de cada um, pode potencializar as relações com os clientes e qualificar a prestação de serviço da empresa.

“Realmente essa divisão é importante, porque eu fico concentrado totalmente nos projetos e ela age nas questões paralelas mas, que agregam o meu trabalho ao mesmo tempo que organiza a empresa”, observou o arquiteto Fábio Rocha.

O empreendedorismo em família também fica atento ao mercado, comodidade não passa perto. Em momentos econômicos como o que enfrentamos atualmente, a empresa familiar pode sofrer um pouco mais, pois se de um lado há a soma de esforços por outro, a entrada financeira também depende de um único canal.

A alternativa foi criar soluções e diversificar. A saída para o casal Rocha foi incluir novos produtos na empresa de arquitetura e construção, passando a atuar também nos negócios imobiliários. Eles uniram a corretagem a reforma ou até mesmo a obras para quem vende ou compra o imóvel.

Na prática, para o cliente só há ganhos pois, um sempre cobra o melhor desempenho do outro e os resultados, sempre vão além do planejado, encantando o contratante.

E como fica a relação de trabalho do casal no dia a dia com as questões pessoais que todo marido e mulher enfrentam?

Para gerir os conflitos há uma regra básica: assuntos pessoais não passam pela porta do escritório. E os assuntos profissionais, por outro lado, permeiam os pensamentos dos empreendedores o tempo todo.

“Procuramos zelar para que não haja prejuízo da convivência familiar, especialmente, aos finais de semana e nas férias, quando checar e-mails e mensagens nos celulares está proibido”, disse Sílvia Rocha.

A experiência deles estão dentro de algumas premissas que os especialistas indicam para o sucesso do empreendimento, são elas:

- estabeleça limites

-saiba a sua função

-enxergue o negócios sob diferentes pontos de vista

-evite ressentimentos

- não se esqueça de se divertir, relaxar

- se comuniquem

São José dos Campos

O perfil empreendedor dos moradores continua em alta, nos cinco primeiros meses deste ano foram abertas 3.773 novas empresas e 1.771 novas MEIs, de acordo com dados da Sala do Empreendedor. E com certeza, boa parte destes novos negócios, conta pelo menos com um membro da família como parceiro ou sócio.

#empreendedorismo #empreenderemfamilia #empresafamiliar #sjc #rmvale #arquitetoFabioRocha #fabiorochaarquitetura #silviarocha #imoveis #arquitetura

11 visualizações